Monitoramento de indiretos

Buscamos trazer à tona ferramentas e soluções viáveis
que permitam o monitoraramento dos fornecedores
indiretos, visando um controle efetivo do
desmatamento e aplicação das Boas Práticas.

Considerando a urgente necessidade de monitorar os fornecedores indiretos para um controle mais efetivo do desmatamento, uma das missões do GTFI é trazer à tona soluções viáveis que permitam a aplicação das Boas Práticas em larga escala.

Nesse sentido, o GTFI procura recomendar ferramentas que sejam complementares ao monitoramento que já vem sendo feito pelos frigoríficos (fornecedores diretos) e inclusivas, ou seja, que não onerem ou tragam empecilhos aos produtores.

Abaixo destacamos algumas ferramentas e abordagens, em diferentes estágios de desenvolvimento, cujos conceitos já foram apresentados e discutidos durante os encontros do GTFI.

Ferramentas e Abordagens

complementares ao monitoramento

+

A JBS propõe um novo procedimento obrigatório para a emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), a partir do qual esse documento passaria a ser emitido apenas àquelas propriedades inscritas no CAR. Além disso, a empresa recomenda que todas as GTAs sejam adequadas ao formato eletrônico (eGTA) e que estejam acessíveis ao público.

Essa iniciativa, apoiada também por membros do Ministério Público Federal, pode ajudar a reduzir os custos associados ao monitoramento e à rastreabilidade e diminuir o potencial de entrada da produção ilegal na cadeia de fornecimento.

GTA Verde

A JBS propõe um novo procedimento obrigatório para a emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), a partir do qual esse documento passaria a ser emitido apenas àquelas [...]
+

A Marfrig utiliza a ferramenta RFI (Request for Information), por meio da qual os pecuaristas informam a origem dos animais adquiridos de terceiros (fornecedores indiretos). Trata-se de um procedimento voluntário onde o pecuarista, caso não tenha criado o animal desde o seu nascimento, informa o nome, o número de contribuinte, o nome da fazenda fornecedora e município.

A partir desses dados, os técnicos da Marfrig consultam as listas dos órgãos públicos para checar a idoneidade dos produtores indiretos com relação às práticas socioambientais. Com isso, a Marfrig procura aplicar os mesmos requisitos mínimos de análise em toda a sua cadeia de fornecimento.

RFI

A Marfrig utiliza a ferramenta RFI (Request for Information), por meio da qual os pecuaristas informam a origem dos animais adquiridos de terceiros (fornecedores indiretos) [...]
+

Plataforma voluntária, desenvolvida em 2017 pela Niceplanet Geotecnologia, permite análises e monitoramento socioambiental de fornecedores indiretos (propriedades e rebanho físico). A plataforma é alimentada com informações fornecidas pelo próprio produtor e conta com aplicativo mobile que permite prospectar antecipadamente as conformidades socioambientais dos fornecedores indiretos, evitando assim a contaminação do rebanho.

As análises da plataforma são baseadas em informações como CAR, LAR, certidões, rastreabilidade e comercialização dos animais adquiridos por meio do SISBOV, Notas Fiscais, GTA`s e fichas sanitárias. A legalidade socioambiental é fundamentada nos TAC´s e nos compromissos públicos assumidos pelo setor.

Acesse o site para mais informações

SMGeo Indiretos

Plataforma voluntária, desenvolvida em 2017 pela Niceplanet Geotecnologia, permite análises e monitoramento socioambiental de fornecedores indiretos (propriedades e rebanho [...]
+

Sistema nacional de rastreabilidade individual de bovinos de corte utilizado pelo governo do Uruguai, permite o gerenciamento e acompanhamento de 100% de todo o gado do país. Utiliza identificação eletrônica e um sistema integrado de monitoramento baseado em mapas. Todos os bovinos são marcados no nascimento por meio de um brinco com chip de identificação por rádio frequência (Radio Frequency Identification).

Tecnologia RFID

Sistema nacional de rastreabilidade individual de bovinos de corte utilizado pelo governo do Uruguai, permite o gerenciamento e acompanhamento de 100% de todo o gado do país [...]
+

Projetado para viabilizar a implementação das Boas Práticas acordadas pelo GTFI, o Visipec funciona como uma ferramenta “add-on”, complementar aos sistemas que os frigoríficos já estão usando no monitoramento de seus fornecedores diretos. A partir do cruzamento do CAR e da GTA, a ferramenta é capaz de fornecer informações adicionais sobre as propriedades de fornecimento indireto na cadeia de suprimentos dos frigoríficos, preenchendo as lacunas e aprimorando os sistemas de rastreabilidade existentes.

É consenso entre os membros do GTFI que a utilização do CAR e da GTA de forma integrada é uma das melhores abordagens para a construção de sistemas de rastreabilidade por utilizar informações que já existem e permitir uma solução viável, de melhor custo-benefício, capaz de ganhar escala e ser implementada rapidamente. Assim, o Visipec está alinhado com as principais definições do grupo.

Acesse o site para mais informações

Visipec

Projetado para viabilizar a implementação das Boas Práticas acordadas pelo GTFI, o Visipec funciona como uma ferramenta “add-on”, complementar aos sistemas que os [...]

O que as empresas

estão fazendo

Além de atuar no desenvolvimento de soluções de monitoramento socioambiental para a cadeia produtiva da carne, o GTFI também incentiva seus membros a testarem as melhores ferramentas disponíveis visando aperfeiçoá-las e adaptá-las às necessidades das empresas.

Veja abaixo algumas empresas membros que já iniciaram o trabalho junto ao GTFI para testar soluções, demonstrando o comprometimento com a implementação de práticas voltadas para a produção de carne bovina livre de desmatamento.